Sem arrependimento, todos igualmente perecerão

 

“Naquela mesma ocasião, chegando alguns, falavam a Jesus a respeito dos galileus cujo sangue Pilatos misturara com os sacrifícios que os mesmos realizavam. Ele, porém, lhes disse: Pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus, por terem padecido estas coisas? Não eram, eu vo-lo afirmo; se, porém, não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis.” (Lc 13:1-3)

 

Desde o pecado cometido por Adão, todas as pessoas encontram-se sob os efeitos do pecado. Quanto a isso, não há diferenças de nacionalidade, sexo, raça ou classe social, por exemplo. Essa é a conclusão a que o apóstolo Paulo chegou: “Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (Rm 5:12).

Acontece que algumas pessoas acreditam que estão isentas do juízo de Deus por terem uma condição de vida melhor, gozarem de boa saúde, de bens luxuosos, de uma carreira profissional bem-sucedida e de uma família estruturada. Mas não é isso o que a Bíblia diz: “Não há um justo, nem um sequer” (Rm 3:10). Toda pessoa precisa reconhecer-se como pecadora e se arrepender disso. Precisa ainda crer que Jesus Cristo é ó único por meio de quem pode obter a justificação de seus pecados: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5:1).

Prezado leitor, não seja como alguns judeus, que se julgavam melhores do que os outros povos, nem como aquelas pessoas que acreditam não precisar de Jesus só porque ainda nenhuma desgraça lhes sobreveio. Considere o que a Bíblia diz em relação a mim e a você também: “Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. (...) Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam” (Rm 10:9-12).

 

Pr. Albert Iglésia